Alok: o DJ que conquistou a mulherada e o mundo

Veja quem é Alok, o DJ que é um dos grandes nomes da música eletrônica hoje

De cara pode até ser que você não conheça. De ouvido é certeza que sim. Hear me now tem toda a cara de hit internacional — algo que é, na verdade —, mas foi produzida por um brasileiro de Águas Claras.

Hoje é dia de conhecer tudo sobre o jovem DJ que é uma das pessoas mais influentes do país. Veja mais sobre Alok, na música e em todo o resto:

O estouro

O grande sucesso de Alok surgiu no final do ano passado, pouco depois de assinar com a Spinnin Records (uma das maiores gravadoras do mundo), e estourou ao longo de 2017 inteiro. De cara você não pega nenhuma dica de que o artista por trás do som é brasileiro, porque a música é no molde dos maiores sucessos internacionais.

Ele foi o primeiro artista brasileiro a ultrapassar as 100 milhões de execuções em uma música com Hear me now, que está com quase 200 milhões de visualizações no momento.

Influência mundial

Não são apenas os números de Hear me now que foram mega expressivos. Ela foi o catalisador que lançou Alok ao sucesso ao redor do globo. Por exemplo, ele foi o único brasileiro no Top 50 da DJ Mag, revista especializada em eletrônica, com a 25ª posição. Acima de gente consagrada como: Daft Punk, Jack Ü e Major Lazer.

O cara está tão no alto que até Mick Jagger, lendário vocalista dos Rolling Stones, embarcou na onda do DJ e fez uma parceria. Algo que resultou no remix de Gotta get a grip. Sua turnê contou com shows pelo mundo inteiro, desde Estados Unidos e diversos lugares da Europa até China e Tailândia. Nada mal para um cara de 27 anos, não?


Grana e curtição

Não é por escolher um estilo de vida mais tranquilo, enquanto está na pausa da rotina eletrizante, que o músico deixa de ostentar. Durante os momentos em que não está em locais paradisíacos pelo mundo afora, viajando em seu próprio jatinho, o cara prefere relaxar em seu apartamento de luxo em Brasília.

À princípio, o DJ prefere manter segredo sobre quanto ganha. Mas estima-se que seja em torno de R$20 mil a R$100 mil por show. Com a rotina lotada agora que ele está estourado, deve dar para tirar uma graninha boa. Além do mais, entre um show e outro sempre dá para curtir bastante tanto cenários paradisíacos quanto festas sensacionais.

Good vibes! ✌🏻️ #24HorasComAlok

Uma publicação compartilhada por Alok Petrillo (@alok) em


Nada de Sertanejo

Apesar de ser nascido em Goiânia e ter crescido no Centro-Oeste, ele não escolheu o caminho musical mais comum da região.

A parada do cara é o eletrônico, com uma predileção especial pela house music e pelo brazilian bass, estilo que ele batizou. O som do cara é tão internacional que muita gente se pergunta: “o Alok é Brasileiro?”.

Nem por isso, ele abandona as origens. Atualmente — quando não está em turnê ou trabalhando — ele mora em Águas Claras, DF, onde passou a adolescência.

King festival! 💥💥

Uma publicação compartilhada por Alok Petrillo (@alok) em

Família

Além de fascinados pela cultura oriental, a ponto de batizarem o filho com um nome que ficaria conhecido pelo mundo inteiro, os pais de Alok têm uma outra curiosidade interessante. Eles também são DJs. Ambos. Não apenas isso, o casal Ekanta e Swarup foram os pioneiros do psy-trance no Brasil.

Mas os fatos curiosos não param por aí. Alok tem um irmão gêmeo, Bhaskar. Ainda na pré-adolescência, aos 12, eles começaram a brincar com as picapes e fazer um som. Com 19, Bhaskar se casou e acabou abandonando a dupla de psy trance que fazia com o irmão. Enquanto isso, Alok seguiu carreira solo, apostou no house e deu no que deu.

Sabia que ele era brasileiro? Duvido!

Agora, se você curte o som do cara? Manja de eletrônica? Conta pra gente qual é seu DJ preferido.

RESUMO DO REVIEW
Beleza
Popularidade
Fama com as mulheres
Fortuna
Avatar
Sexo, mulheres, vídeos e ensaios eróticos! Isso e muito mais do universo masculino com aquela pitada de humor, sacanagem e informação.