Quando fui numa casa de massagem, por Thatá

conto tata

Dezembro de 2017

Olá amores, novamente mais uma aventura. Desta vez, bem mais picante, por assim dizer.
Na academia fiz vários amigos, inclusive, um deles é irmão do dono de uma casa de massagem… ele é bem de boa, um cara super legal.

Enfim, vivíamos falando de sacanagem e tudo mais. Ele falava abertamente sobre as moças que lá trabalhavam e que às vezes ficava com algumas delas e tudo por conta da casa.

Sempre tive vontade de ir em uma casa de massagem e me divertir, mas nunca tive oportunidade de saber com era e coragem também.

Acabei conhecendo o irmão dele em um fim de semana durante uma festa aqui em SP. Fomos apresentados e não perdi tempo, puxei ele para um canto e perguntei sobre tudo, tirei todas as minhas dúvidas.

Como era perto do Natal, mais precisamente dia 19 de dezembro, uma terça-feira, resolvi conhecer a famosa casa. Liguei para ele antes combinando tudo certinho.

Sai do meu estágio em um jornal aqui de SP e fui correndo para lá, não tive nem tempo de tomar um banho ou me arrumar, a vida é muito corrida gente… espero que entendam, rsrs.

Eu usava uma blusa social rosa com uma blusinha de alça por baixo, uma saia até a altura dos joelhos e meia calça 7/8.

Chegando lá, fui e paguei pelo momento de prazer, achei um pouco caro, mas como era o meu presente de natal, fiz esse pequeno capricho para mim. Tudo saiu por R$ 700,00, com um leve desconto, pois eu era amiga do irmão dele.

Eu tenho diversos fetiches, porém, para esse dia reservei o meu mais caliente (eu acho né).

Pedi para ser dominada por duas mulheres. Ao pagar para a gerente da casa, fui encaminhada para um quarto, muito lindo, por sinal. Parecia um palácio de tão lindo. Ao entrar lá, a gerente me deu uma venda, como era o combinado. Coloquei e não enxerguei mais nada.

Percebo que estava sozinha no quarto até que escuto o barulho de passos, na verdade, de saltos. Ouço a porta se fechando, meu coração fica acelerado pelo momento único que estou prestes a ter.

Percebo que já não estou mais sozinha no quarto. Sinto o perfume bem doce ao meu redor. Havia deixado minha mochila na cama, senti que alguém a retirou. Senti uma leve passada de mão sobre meus cabelos, as duas moças sentaram na cama ao meu lado.

Senti um leve arrepio, depois uma carícia de leve em minha mão direita, depois uma mão boba sobre minha coxa. Senti que puxaram levemente a minha camisa, outra passada de mão em meus cabelos, uma leve afastada deles, e senti alguém me dando um beijinho no pescoço.

Ouço uma delas me pedir para levantar e fiquei de pé num instante. Minhas mãos foram puxadas até que fui levada para um outro cômodo do quarto. Senti que algo foi colocado em volta de meus punhos, achei que fosse um laço, mas não, eram algemas. E meu braços foram levantados. Fiquei presa a uma haste, na hora não sabia. Depois vi que era um poste de pole dance.

Uma das meninas me segurou e me ergueu levemente, quando me soltou, fiquei na pontinha dos pés.

Aí começou o show, rsrs.

Elas me perguntaram “é para dominar você, né biscate?” Respondi que sim e que deveria ser bem gostoso – ouço risos.

Nisso levo um tapa bem forte no rosto, doeu mesmo, mas gostei. Logo senti meus cabelos serem puxados. Levei um beliscão na barriga e uma delas apertou meus seios com muita força. “Nossaaaa, que delícia.” Senti que a má intenção, por assim dizer, a moça puxou minha camisa com força e estourou os botões.

Ouço um “nossa, que puta gostosa, toda siliconada”.

Levo outro tapa na cara e dessa vez tenho a minha blusinha puxada com força também, sendo rasgada e meu sutiã também. Fico toda exposta para elas e suas maldades.

Cada uma delas começa a beijar meus mamilos e sinto eles serem sugados com muita força, doía um pouco, mas era prazeroso. Até que senti a mordida de uma delas e gritei de dor… levei outro tapa e ouvi um “cala boca, sua vadia”.

A mão de uma delas veio por debaixo de minha saia e me explorando senti seu dedo, forçando a entrada de minha vagina por cima da calcinha, que nesse ponto estava ficando bem lubrificada.

Seus dedos afastaram um pouco a calcinha e senti ele penetrar com força meu interior. Logo, para facilitar e não perder tempo, afastei minhas pernas, e no mesmo instante senti 3 dedos dentro de mim. Me comendo ferozmente e meus seios durinhos de tanto serem chupados começavam a pedir um tempo para respirar.

A vontade de soltar um gritinho de dor misturado com um gemido era grande, mas eu me esforcei para não ceder à tentação.

Um seio ficou livre da boca de uma delas, mas não dos dedos que o apertavam com força.
Minha saia, foi arrancada com força, e com o zíper estourando. Minha calcinha foi tirada com delicadeza. Pediram para eu abrir a boca, a dobraram, e colocaram a calcinha na minha boca.

Isso era hilário, gostoso, proibido e nossaaaa, que calor está aqui…

Minhas meias foram tiradas também, uma delas foi usada para ficar me torturando. Cada uma das meninas pegou a ponta da meia, passaram ela entre as minhas pernas e ficaram roçando ela na minha vagina, como se fosse um cabo de guerra, cada uma puxava de um lado de forma rápida e com força.

Me molhei toda com isso, já nem sentia a dor em meus mamilos. Do nada tudo parou, senti uma quietude naquele lugar e o silêncio durou pouco tempo. Fui puxada para frente e me viraram. Agora eu estava de frente para o poste e não de costas como antes.

Alguém sentou ou ajoelhou na minha frente, afastou minhas pernas e começou a fazer um oral maravilhoso. Aí já não aguentava e comecei a gemer baixinho… por enquanto.

Quando estava conseguindo me controlar, sinto um tapa forte em minha bunda, e um aperto com muita vontade. Sinto que passaram algo gelado em meu ânus que deslizou por meu grelho. Era gelado, cremoso e bem lubrificante.

Sinto outro tapa na bunda e a moça começa a massagear a entrada de meu ânus, aquilo era gostosinho até que sou penetrada por algo grande de borracha. Aí eu me perdi.

Dei um pulo, eu me agitava, não conseguia gritar por causa da calcinha na boca, aquilo era uma delícia, sendo chupada na frente e comida atrás. Sendo carinhosamente chupada em um oral e ferozmente pega em um anal.

Que prazer indescritível aquilo. A que me comia por trás, me abraçou com força e agarrou meus seios com força, deixando marcas de suas unhas. Minhas pernas estavam bambas e eu entregue, ainda bem que havia sido presa, senão teria caído no chão.

Pausa para nós 3 respirarmos.

Fui solta e levada para a cama, ainda sim com as mãos algemadas. Fui jogada na cama. Finalmente tiraram a calcinha da minha boca e ganhei um beijo muito bom. Gostinho de morango, rs.

Minhas pernas foram abertas e senti uma língua muito gulosa me lambendo, chupando de forma bem maliciosa.

Uma delas sentou sobre a minha cabeça e mandou “me chupa, sua cachorra”. Coisa que eu atendi prontamente. “Que grelhinho gostoso!”, eu a ouvi gemendo e aquilo me deu uma fome incrível. Resolvi apelar, mordi ela com vontade e ela deu um pulinho. Logo ficou rebolando em minha cara. Não demorou muito para eu sentir algo escorrendo em meu rosto, sinal verde. Acabei dando o meu mel para a outra moça.

A que eu fiz oral se levantou e fui virada na cama, ficando de bruços. Ainda havia aquele gel na minha bunda, não sei quem foi, mas recebi um beijo grego divino, lamberam o meu cuzinho e eu já não aguentava mais resistir e gemi algo. Gritei de prazer, me contorcia de tão bom que era aquilo.

Eu já estava ficando cansada, era muito ter duas me comendo. Uma delas me pediu para levantar novamente. Fomos para o banheiro onde há uma banheira de hidromassagem.

Entramos nós 3 lá dentro, a água estava morna e eu me afundei naquela água de tão boa que estava. Finalmente me soltaram, sem algemas e sem as vendas, e minha nossaaaaaa!!!!!!

Quando vi quem eram as moças, me arrepiei toda, duas deusas, duas loiras lindas de morrer. Fiquei boquiaberta. E por instinto comecei a chupar o seio maravilhoso de uma delas, “nossa, eu sugava ele com tanta fome”.

Logo fui puxada pelos cabelo, o outra loira me beijou por trás. Ela estava de pé e foi me levantando aos poucos, já a outra veio e começou a beijar meus seios e brincar com eles.

Depois dessas carícias, a que me chupou os seios sentou na borda da banheira e abriu a pernas me convidando para o paraíso, pulei nela e comecei a chupar aquela delícia, era deliciosa aquela bucetinha.

Já a outra se posicionou atrás de mim, abriu minhas pernas e começou a me chupar. Sua língua foi na minha bucetinha e um de seus dedos se encaixou certinho na minha bundinha… no começo estava só na entradinha brincando e me estimulando.

Aiiiiiiiiiiii!!!!!!!!! A safada enfiou o dedo com força no meu cuzinho e ficou me explorando com ele. Comecei a fraquejar minhas pernas, não estavam mais tão firmes… e já não conseguia me concentrar naquela bucetinha, a vontade de gemer estava tomando conta de mim.

Não resisti e desabei, tive espasmos, meu corpo começou a tremer incontrolavelmente. Agora sentia dois dedos na minha bucetinha e um no meu cuzinho.

A outra loira me segurou pelos cabelos e me beijou loucamente. Pausa… respira. Respira mais um pouco. Ai nossa… estou acabada.

Bom, depois disso voltamos para a cama, eu maravilhada com essas duas deusas. Uma delas pegou um pote com gel e pediu para eu deitar na cama enquanto a outra me olhava com um desejo imenso de me comer, mas só recebi uma massagem relaxante no corpo.

Depois de ser totalmente abusada, comida e gemer como nunca, tinha que ir embora, e minhas roupas… ah, minhas roupas, não sobrou muito delas. Rasgadas e em trapos, não dava mais para reaproveitar.

Ainda bem que na minha mochila havia minhas roupas de academia. Peguei um top e a minha legging. Vesti e dei falta da minha calcinha. Uma das loiras me disse que a calcinha era o troféu dela e que não me daria de volta.

Para piorar as coisas, a legging era extremamente justa ao corpo, ficando ridiculamente marcada a minha bucetinha (famosa pata de camelo), ainda mais porque era uma legging amarela, não tinha como disfarçar.

Bom depois de tudo isso eu não precisava de academia, não hoje, depois de gastar tanta energia.

Beijos, beijos e até a próxima.

Sexo, mulheres, vídeos e ensaios eróticos! Isso e muito mais do universo masculino com aquela pitada de humor, sacanagem e informação.