Roberto, meu corno lindo, conto erótico por April

Como foi descobrir esse fetiche com a April?

Olá, me chamo April, meu corpo é natural, sou magra e alta, mas como dizem: “Com aquela bunda de brasileira”. Hoje quero contar sobre o Roberto, um namorado que era tarado com essa fantasia deliciosa que é o Cuckold.

Eu por aqui devo contar como fiquei sabendo que meu namorado gozava muito mais gostoso quando sabia que ele era o corno da minha vida.

Percebi sua tara no dia que sai com uma amiga e não voltei para casa. Na manhã do dia seguinte eu estava cheia de desculpas para dar, porém, ao começar a falar sobre a noite, olhei para baixo e vi que o pau dele foi ficando duro, ele começou a morder os lábios e ficar sem lugar. Eu tinha feito algo que o excitou de uma forma muito rápida e verdadeira. E enquanto eu ainda tentava perceber o que estava ocorrendo, ele disse:

“Amor, não há nada mais gostoso nesta vida do que saber que, enquanto eu fico aqui em casa cuidando de tudo, você pode estar por aí dando para outros homens.”

Reparei mais uma vez no Roberto, ele se contorcia de tesão, e no breve intervalo entre suas palavras, ele foi tirando o pau para fora da bermuda velha que ele vestia para limpar a casa. Eu fui para cima dele, não me aguentei. Impossível ver aquela cena, ver um pau ficando todo melado, e não atacar. Eu estava cansada e ainda cheirava a bebidas, mas mesmo assim fui tirando minha roupa em sua frente, tirei primeiro o vestido, taquei na cara dele dizendo:

“Vai lavar minha roupa meu empregadinho, mas antes me come.”

Ele pegou meu vestido do chão e colocou dobradinho em cima da mesa. Tudo com o pau super duro, veias saltando e ainda melando a bermuda.

Ele me puxou, abaixou a bermuda e me comeu de frente, apoiada na mesa da sala. Ele não demorou muito para gozar. Foi tão intenso que eu sabia que ele não iria durar, e tudo bem. Tomei um banho enquanto o ‘Berto’ (era assim que eu o chamava) limpava a mesa que estava suja de suor e porra. Fui para cama. Adormeci. Acordei com ele colocando o pau em minha cara, dizendo:

“Amor, achei um casal, vamos fazer um ménage?”

Roberto não parecia o tipo de homem que topava aventuras, então nunca havia passado em minha cabeça fazer algo com ele. Mas agora ele estava ali, com aquele pau durinho no meu rosto e com uma proposta diferente de tudo que tínhamos vivido. Eu olhei bem fundo nos olhos dele, coloquei meus lábios em suas bolas, tirei a mão dele que estava segurando aquela rola na minha frente. E disse bem carinhosa e sorrindo:

“Logico Berto, cuida disso e me conta o dia tá?”

E assim ele fez, tomou conta de tudo, marcou para a próxima sexta-feira encontrarmos com um casal em um bar que espertamente já era próximo a um motel.

Durante a semana comprei uma lingerie vermelha bem bonita, tudo para o tal encontro.

Casal divertido, ela se chamava Ana e ele Pedro. Ia rolar. Então depois das apresentações e um pouco de conversa, fomos para o motel. Ao chegar, eu beijei o meu namorado que cochichou em meu ouvido:

“April minha linda, devo confessar que quero gozar olhando você dando para o Pedro. Quero você dando gostoso de quatro para ele, enquanto a mulher filma e eu fico aqui vendo tudo e batendo uma punheta bem quente.”

Eu olhei para meu corninho lindo ‘Berto’, dei um beijo apaixonado e comecei a realizar esse desejo de Cuckold dele.

Me afastei, dizendo que poderiam começar a filmar. Virei de costas, rebolando e olhando para câmera. Tirei toda minha roupa, mostrei minha calcinha vermelha sexy, tirei com carinho ela, tirei o sutiã e peguei o pau do Pedro que estava meia bomba, e comecei a chupar. Sugava tudo, cuspia nas bolas, colocava meus braços entre suas pernas. Ele ficou bem duro para me comer. Eu sempre olhava para a câmera, gemia e olhava para o Roberto, dizendo:

“É assim Berto? É assim meu corno, está vendo sua mulher com um caralho bem grosso enfiado na buceta dela? Tá vendo ele socado tudinho, bem fundo?”

“Quer me ver gozar, né? Não vou gozar em você, vou gozar dando para ele hoje. Você corno só pode ver.”

Eu estava muito molhada e com muito tesão, pois percebia o tanto que ele estava amando aquilo, eu gozei quando olhei para o Roberto e vi que a porra dele foi longe. Muita porra, branquinha. Uma cena de filme pornô praticamente.

Ele me olhou com um sorriso lindo. Fomos os quatro nos lavar. Eu e Roberto fomos embora, o casal quis ficar no motel.

April, camgirl do CameraHot

Essa Camgirl é escritora de contos eróticos desde os 21 aninhos de idade. Entende muito bem o que um homem gosta e fala tudo que querem ouvir. Enquanto escreve sempre fica bem molhada e agora anda deixando os homens loucos por aqui também. Ela é alta, magra com o corpo natural, peitinhos empinados com piercing mega sexy e sem nenhuma tattoo. Ela gosta de dizer sempre: Magra, mas com a aquela bunda de brasileira.

Avatar
Sexo, mulheres, vídeos e ensaios eróticos! Isso e muito mais do universo masculino com aquela pitada de humor, sacanagem e informação.